Kaleidoscópio Literário
                                a expressão de Kathleen Lessa
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Meu Diário
18/01/2015 23h17
MOMENTOS EM NUVEM (Péricles Alves de Oliveira)

 

 

Chegaste

assim de repente,

como uma aquática andorinha

inocente,

 

e eu disse

para manteres a distância

certa desta laiva

nascente:

 

agora 

é tarde demais: 

já bebo o ar que respiras

e aguardo o porvir

momento

 

da cruciante

dor que virá dos estilhaços

de nossas asas

de vidro.

 

Péricles Alves de Oliveira

18/01/2015
 


Publicado por KATHLEEN LESSA em 18/01/2015 às 23h17
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
18/01/2015 18h22
HÁ ALGO NA SOLIDÃO DESÉRTICA (Péricles Alves de Oliveira)

 

Meu Deus,

meu Deus, meu Deus!

Nasceu uma flor ao rígido deserto

de minha planície!

 

Uma flor-fantasia,

uma flor-mar-amar-voar,

uma flor-anilina!

 

E ela veio todo poesia,

tentando resistir a meu chão,

alagado de ilusões e de

esperanças

 

vazias!

 

 

02/01/2015

Péricles Alves de Oliveira (Thor Menkent)

 

imagem: arquivo kml


Publicado por KATHLEEN LESSA em 18/01/2015 às 18h22
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
15/01/2015 00h06
ESCORREGADIAMENTE PURA (Péricles Alves de Oliveira)

 

 

Ela o viu ali,
sentado sozinho à mesa
daquele boteco
vazio,

a tricotar
versos pálidos e imperfeitos
entre um e outro gole
de vinho tinto:

 “Se já disse
mil vezes que te amo,
e que sempre fui sua
(somente sua)

porque
me choveu tanto,
como que a não crer
minhas palavras,

como que
a querer tolher a minha
sagrada liberdade,
meu amor!?”

Ele a mirou
nos sorumbáticos olhos,
refletiu por alguns segundos
e mostrou-lhe o avesso
do reflexo:


“Bem, penso que
amar (como ser livre) não é
para qualquer um,
não;

amar e ser livre
é só para os que têm força
e coragem de se estabelecerem
entre desérticos
limites!"

 

Péricles Alves de Oliveira (Thor Menkent)

*


Publicado por KATHLEEN LESSA em 15/01/2015 às 00h06
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
04/01/2015 18h33
PARA ALÉM DO NIILISMO (Luiz Felipe Pondé)

 

Para além do niilismo

06/05/2014  

 

O leitor sabe que meu pecado espiritual é o niilismo. Enfrento-o dia a dia como qualquer moléstia incurável. O tema já foi tratado por gênios como Nietzsche, Turguêniev, Dostoiévski, Cioran. Deixo meu leitor em companhia desses gigantes, muito melhores do que eu.

A tragédia também me acompanha em todo café da manhã, essa concepção grega de mundo que julgo a mais correta já pensada. Aqui tenho grandes parceiros como o autor da tragédia ática Sófocles (entre outros), o filósofo Nietzsche, o dramaturgo Shakespeare e os escritores contemporâneos Albert Camus e Philip Roth.

Ambos, niilismo e tragédia, são visões de mundo que arruínam a vida. Diante deles, ateísmo é para iniciantes. O ateísmo só é aceitável quando blasé e sem associações de ateus
militantes. Para niilistas como eu, o ateísmo crente em si mesmo é brincadeira de meninas com fita cor-de-rosa amarrada na cabeça.

Ando de saco cheio do niilismo e da tragédia, apesar de continuar experimentando-os todo dia. Em termos morais, a virtude máxima para ambos é a coragem, e o vício mais a mão, a covardia.

Nos últimos tempos, tenho me interessado por outra virtude, a confiança, essa, tão difícil quanto a coragem, uma vez tomada a alma pelo niilismo e pela tragédia. É sobre ela que quero falar nesta segunda-feira, dia normalmente difícil, acompanhado do "bode" do domingo e da monotonia do dia a dia que recomeça imerso num sono que nunca descansa, porque sempre atormentado pela dúvida com relação ao amor, à família, ao trabalho e à viabilidade do futuro.

Meu maior pecado como escritor é jamais enganar, jamais querer agradar. Essa é minha forma de prestar respeito a quem me lê semanalmente. O caráter de alguém que escreve é medido pela ausência de desejo de agradar a quem o lê.

Amar cães e confiar neles é mais fácil do que amar seres humanos e confiar neles. Por isso, num mundo atormentado pela dúvida niilista, ainda que em constante denegação dela, tanta gente se lança à defesa melosa de cães e gatos e exige carne de frangos felizes na hora de comer em restaurantes ridículos.

Quero propor a você duas obras. Um filme e um livro que julgo entre os maiores exemplos da arte a serviço da confiança na vida.

O filme "As Damas do Bois de Boulogne", do cineasta francês Robert Bresson, de 1945, é uma pérola sobre a confiança na vida e nos laços afetivos. Bresson é um cineasta muito marcado pelo pensamento do escritor George Bernanos, grande anatomista da alma e especialista em nossa natureza vaidosa, mentirosa e, por isso mesmo, desesperada. Coisa para gente grande, rara hoje em dia, neste mundo governado por adultos infantis.

O filme trata da vingança de uma mulher belíssima contra seu ex-amante (que a abandonou), um homem frívolo e covarde por temperamento. Essa vingança se constitui na aposta de que ele e a mulher que ela "contrata" para sua vingança agirão do modo esperado. Sua intenção é fazer com que seu ex-amante se apaixone por essa mulher "contratada", uma prostituta.

O homem é mantido na ignorância da vida pregressa de sua noiva até depois do casamento. O que a mulher abandonada não contava é que a prostituta se apaixonasse pelo covarde, levando-o a transformação inesperada de caráter.

O amor também é personagem central da obra do dinamarquês Soren Kierkegaard "As Obras do Amor", da Vozes. Esse livro é o texto mais belo que conheço sobre o amor na filosofia ocidental.

Segundo nosso existencialista, o amor tudo crê, mas nunca se ilude porque, assim como a desconfiança e o ceticismo, o amor sabe que o conhecimento não é capaz de nada além do que fundamentar o niilismo, o ceticismo e o desespero.

O amor é um afeto moral, não um ato da razão. A razão não justifica a vida. O amor é uma escolha de investimento na vida, uma atitude, mesmo que a razão prove a falta de sentido último de tudo.

Ingênuos são os niilistas e céticos que consideram a desconfiança um ato livre da vontade. A desconfiança é uma escravidão. A aposta na vida é que mostra o caráter maduro de mulheres e homens.
Boa semana.

********

Luiz Felipe Pondé, pernambucano, filósofo, escritor e ensaísta, doutor pela USP, pós-doutorado em epistemologia pela Universidade de Tel Aviv, professor da PUC-SP e da Faap, discute temas como comportamento contemporâneo, religião, niilismo, ciência. Autor de vários títulos, entre eles, 'Contra um mundo melhor' (Ed. LeYa).
Escreve às segundas-feiras na Folha de São Paulo.


Publicado por KATHLEEN LESSA em 04/01/2015 às 18h33
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
 
03/01/2015 14h51
DESVARIOS À HORA DO ÂNGELUS (Péricles Alves de Oliveira)

 

 

Era uma vez
um anjo que não era humano
– ou uma mulher que
se dizia anjo? –,

carecia de que ovelhas e gatos
sangrando em agonia lhe confiassem
a pureza nata dos que nunca
tiveram má fé,

enquanto era incapaz
de evitar contorcer-se às fantasias,
insânias e paus de vermes
e urubus letrados.

 

Péricles Alves de Oliveira (Thor Menkent)

03/01/2015

 

imagem:  K. Perry


Publicado por KATHLEEN LESSA em 03/01/2015 às 14h51
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Página 3 de 40 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]

Os textos da autora têm registro no ISBN. Plágio é crime.