Kaleidoscópio Literário
                                a expressão de Kathleen Lessa
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos




               DAS ALMAS




Elas começam a ronda 
na abertura da noite, 
às ave-marias,
aos bronzes sobre o silêncio
que é dor,

aos pássaros que passam
e piam tristemente
(longínquos),

sobre o casal enamorado
que passeia de moto ao luar,

sobre o poeta que pensa versos
e os perde quando um alarme assusta,

sobre o amigo que quer ser presença
e já não pode estar,

sobre o homem sem horizontes
que faz de suas migalhas moeda de troca,

sobre a mãe que, nonagenária,
birra e trapaceia qual criança,

sobre o campo agreste
que espera a mão que o cuide,

sobre as construções paradas
e a flor carmim ainda por plantar,

sobre o pranto do pequenino
que teme não rever o pai,

sobre a mulher e amante saudosa
que geme o tempo esperdiçado,

sobre o enfermo que se perde em lembranças
num leito de hospital, sem poesia nem canções,

sobre as feridas escancaradas
que imploram por água balsâmica,

sobre os corações aflitos
que soluçam um milagre, dois, cem,

sobre os que se fecham nas sombras
e apagam a própria luz.


Medo, medo, medo patente,
respiração constrita:
que é do viver morrer-se a cada dia.


As almas desfilam visitas
- sem trégua -
de ponta a ponta das horas escuras,
permeiam os meandros do sono e dos sonhos...

Recrutam companhia
que não se quer ter nem ser.


                      Sob um imaginário lampião violeta,
                      em todas as noites de cena aberta,
                      penso e repenso as almas de toda sorte,
                      as vivas e as sepultas,
                      a minha,
                      sem sul nem norte,
                      a tua,  
                      rondada de morte.

                      Ó tempo desassossegado, sem pouso e lugar!
                      Vida de penada alma por expiar! 






[ para você, que sabe e conta meus dias como eu conto e sei dos seus. ]

 


 
Por inspiração do poema   " Do que se tem e não mais ", do poeta
Péricles Alves de Oliveira.

 
 

 
imagem: google
KATHLEEN LESSA
Enviado por KATHLEEN LESSA em 14/10/2015
Alterado em 27/11/2015
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Os textos da autora têm registro no ISBN. Plágio é crime.